Carta escrita por organização de judeus progressistas foi assinada por 69.148 pessoas. ‘O massacre na sinagoga acontece em um momento no qual o governo, o Partido Republicano e seus agitadores fomentaram o ódio, o medo e o supremacismo branco no nosso país’, diz trecho

O presidente dos EUA, Donald Trump, e a primeira-dama, Melania, deixam a Casa Branca para ir a Pittsburgh visitar vítimas de ataque à sinagoga, na terça-feira (30) — Foto: Reuters/Joshua Roberts

O presidente dos EUA, Donald Trump, e a primeira-dama, Melania, deixam a Casa Branca para ir a Pittsburgh visitar vítimas de ataque à sinagoga, na terça-feira (30) — Foto: Reuters/Joshua Roberts

Quase 70 mil pessoas assinaram uma carta na qual informam ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que, ele enquanto não rejeitar “completamente o supremacismo branco”, não será bem-vindo a Pittsburgh (Pensilvânia), cidade que o governante visita nesta terça-feira (30) devido ao ataque ocorrido em uma sinagoga no sábado, que terminou com 11 mortos.

“Presidente, você não será bem-vindo em Pittsburgh até que rejeite completamente o supremacismo branco. Nossa comunidade judaica não é o único grupo que foi alvo (de suas críticas)”, diz a carta escrita pela Organização Bend the Arc, um movimento “de judeus progressistas” que conseguiu obter 69.148 assinaturas.

A Casa Branca anunciou na segunda que o presidente viajaria nesta terça a Pittsburgh para “expressar seu apoio” junto à comunidade judaica desta cidade, que no sábado sofreu o maior ataque antissemita já registrado no país, segundo algumas associações.

A Bend the Arc, no entanto, considera que este gesto não é apropriado já que o massacre cometido por Rob Bowers, que matou 11 pessoas na sinagoga da Congregação da Árvore da Vida, é “a culminação direta da influência” do presidente, de acordo com a carta.

Por isso, a organização reivindica ao presidente que, antes de visitar a cidade, rejeite o supremacismo branco, deixe de atacar outras minorias, os imigrantes e refugiados, e se comprometa a fazer políticas “compassivas e democráticas” que reconheçam a dignidade de todos.

“O massacre de 11 judeus na sinagoga de Pittsuburgh acontece em um momento no qual o governo do presidente Trump, o Partido Republicano e seus agitadores – em todos os níveis – fomentaram o ódio, o medo e o supremacismo branco no nosso país”, critica o texto.

A carta conclui com uma chamada à unidade de todos os americanos como “única maneira” de garantir a segurança e com uma frontal rejeição a deixar que a política isole algumas comunidades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here